• Itinerário da Índia por terra a este reino de Portugal Quick View
    • Itinerário da Índia por terra a este reino de Portugal Quick View
    • Itinerário da Índia por terra a este reino de Portugal

    • 14.00
    • Adicionar
    • ,
    • António Tenreiro Livros de Bordo 2020 | ISBN: 9789895455416 António Tenreiro nasceu em Coimbra por volta de 1500. Embarcou jovem para a Índia e, em 1523, prestava serviço em Ormuz quando integrou uma das embaixadas portuguesas enviadas a Tabriz na Pérsia. Ali aprendeu persa e viajou até ao Cairo por regiões controladas pelo Império Safávida e pelo Império Otomano, talvez em missão de espionagem. Regressado a Ormuz, aí residiu até 1528 quando empreendeu uma nova viagem por terra até Portugal. Três décadas mais tarde publicaria o Itinerário, relato das suas aventurosas viagens.
  • Mamute n.º 1 Quick View
    • Mamute n.º 1 Quick View
    • Mamute n.º 1

    • 10.00
    • Adicionar
    • AA VV A Mamute é uma revista trimestral de ensaios criativos e autobiográficos em formato longo, que quer contar histórias pessoais que tenham eco colectivo. Idealizada e editada por Gonçalo Mira, crítico literário do Público e autor do podcast Conduzir à Noite, a Mamute pretende “através das experiências individuais dos autores, falar de temas socialmente relevantes, partindo do particular para falar do global. Dito de outra forma, queremos contar histórias que também informem, que inquietem, que ajudem a pensar o mundo em que vivemos.” Em formato de livro de bolso e com design distintivo, o primeiro número da Mamute conta com as vozes de Nuno Catarino (a experiência de usar bicicleta como principal meio de transporte em Lisboa), Cláudia Lucas Chéu (a descoberta da sexualidade na adolescência), Seara (ocupação solidária e despejo em plena pandemia), João Pedro Azul (um pai engolido pela demência) e João Sousa Cardoso (uma viagem ao longo do rio Mississippi).  
  • George Orwell – Ensaios Quick View
    • George Orwell – Ensaios Quick View
    • George Orwell – Ensaios

    • 22.90
    • Adicionar
    • Autor: George Orwell Editora: Edições 70 Ano: 2021 | ISBN: 9789724423975 | N.º pp: 420 O Orwell ensaísta que o público português conhece, através da tradução de alguns dos seus ensaios, é essencialmente o Orwell político. Sem descurar essa dimensão incontornável do autor, a presente coletânea pretende dar a conhecer várias das suas outras facetas que frequentemente ficam esquecidas ou são menosprezada. Assim, a coletânea inclui ensaios sobre o policial, a literatura infanto-juvenil e outras manifestações da cultura de massas, bem como outros sobre a natureza, o imperialismo e as questões identitárias. Os ensaios aqui reunidos revelam a versatilidade de Orwell e as suas extraordinárias qualidades de ensaísta: o espírito de independência, o sentido crítico, a curiosidade intelectual, a perspicácia da observação, a informalidade do estilo e, acima de tudo, a sua capacidade de interrogar o mundo e de com ele dialogar, «ensaiando» explicações para tudo o que lhe suscita o interesse, do mais filosófico ao mais comezinho.  
  • Já não dá para ser moderno: seis poetas de agora Quick View
  • Desvio-me da bala que chega todos os dias Quick View
  • A liberdade é uma luta constante Quick View
    • A liberdade é uma luta constante Quick View
    • A liberdade é uma luta constante

    • 16.00
    • Adicionar
    • Angela Davis Antígona - Editores Refractários 2020 | 9789726083641 | 192 pp. Nesta selecção de ensaios, entrevistas e discursos, a célebre activista e académica Angela Davis lança uma nova luz sobre as lutas contra a violência de Estado e a opressão em vários pontos do mundo – da Palestina à África do Sul –, desmontando as estruturas do sistema capitalista (patriarcado, supremacia branca, políticas imperiais) que apenas sobrevivem perpetuando conflitos. Reflexão sobre os combates históricos do movimento negro nos Estados Unidos, o lugar central do feminismo na desconstrução das relações de poder e a abolição do sistema prisional industrial, A Liberdade é Uma Luta Constante (2015) obriga-nos a olhar para lá do nosso quintal, para os «reservatórios de esperança e optimismo» que encontramos nas colectividades resistentes. Quando dar tréguas à injustiça é multiplicar formas de submissão, Angela Davis desafia-nos a dar o exemplo, fazendo a nossa parte por um movimento global de libertação humana.