• Brotéria 192- abril 2021 Quick View
    • Brotéria 192- abril 2021 Quick View
    • Brotéria 192- abril 2021

    • 8.00
    • Adicionar
    • Brotéria 2021 | 9786120011669 | 101 pp. Assinalam-se neste ano 700 anos sobre a morte de Dante e o editorial de abril revisita e celebra o pensamento crítico daquele que, reivindicado postumamente pela Igreja, pronunciou palavras de crítica profética contra os seus representantes. Maria de Belém Roseira fala-nos da importância da Saúde enquanto parte de uma geoestratégia “saudável”, e Teresa Nogueira Pinto sobre o peso de uma herança histórica nas relações entre França e o Ruanda. Na secção de Sociedade e Política, Álvaro Domingues mapeia a cartografia difusa que descreve o chamado "Interior de Portugal" e Guilherme d’Oliveira Martins escreve sobre o caminho percorrido pelo Centro Nacional de Cultura e o a política de património cultural enquanto fator de coesão territorial. Em Religião, José Frazão Correia SJ descreve-nos a índole pastoral da doutrina cristã e, com um artigo de António Andresen Guimarães, descobrimos Elesbão e Efigénia, dois santos negros numa capela minhota. Nas Artes e Letras, Manuel Ferro evoca a eloquência e…
  • Sinta-se Livre Quick View
    • Sinta-se Livre Quick View
    • Sinta-se Livre

    • 24.90
    • Adicionar
    • Zadie Smith Dom Quixote 2021 | 9789722071178 464 pp. Jornalismo literário no seu melhor pela mão de uma das mais conceituadas escritoras do nosso tempo. Desde a sua impressionante estreia há duas décadas, Zadie Smith consagrou-se não só como uma das escritoras de ficção mais proeminentes da atualidade, mas também como uma brilhante e singular ensaísta. Sinta-Se Livre, volume que reúne textos inéditos e ensaios que já são considerados clássicos, é disso um claro exemplo. Dividido em cinco partes - No Mundo, Entre o Público, Na Galeria, Na Estante e Sinta-Se Livre -, esta obra coloca questões que imediatamente reconhecemos: O que são de facto as redes sociais? Como vamos explicar aos nossos netos o fracasso coletivo em lidar com as alterações climáticas? Ao mesmo tempo, leva-nos numa viagem pelo mundo da literatura - visitando a obra de Philip Roth, Ballard, Javier Marías, H. G. Wells e tantos outros -, do cinema, da arte e da música - de Billie Holiday a Jay-Z; e oferece-nos um olhar sobre eventos…
  • Rostos da Morte Quick View
    • Rostos da Morte Quick View
    • Rostos da Morte

    • 18.00
    • Adicionar
    • ,
    • Rostos da Morte - Investigações filosóficas sobre a Morte Byung-Chul Han Relógio D'Água 2021 | 9789897831034 | 240 pp. “Em torno da morte proliferam fenómenos. A morte faz com que se desenrolem metáforas e metonímias. Tal é a aparência necessária que faz com que a vida seja o que é. Mas o aparente não é o falso, não é o oposto do verdadeiro. A aparência não se limita a falsear o ser, mas faz com que ele se manifeste de um determinado modo, transformando-o assim em linguagem.” A perda pela morte é irreversível e também por isso é difícil olhá-la de frente. Mas a reflexão sobre a morte pode convertê-la numa experiência viva. Byung-Chul Han fala-nos da caleidoscópica variedade da morte, através das suas leituras de Adorno, Heidegger, Derrida, Levinas, Kafka e Handke. Este seu livro procura tornar audível a linguagem da morte, que nos vai interpelando ao longo da vida. É assim que se abrem novas perspectivas, surgindo a morte como…
  • A Aparência das Coisas Quick View
    • A Aparência das Coisas Quick View
    • A Aparência das Coisas

    • 18.00
    • Adicionar
    • A Aparência das Coisas - Ensaios e Artigos Escolhidos John Berger Antígona – Editores Refractários 2021 | 9789726083955 | 288 pp. «A arte é uma expressão da nossa sensação de que o que existe é insuficiente — e de que não somos obrigados a aceitá‑lo com gratidão.» A Aparência das Coisas (1972) reúne alguns dos ensaios mais brilhantes e incisivos que John Berger escreveu na década de 60. Uma mulher forçada a entrar num táxi; um leão e uma leoa enjaulados no jardim zoológico; a última fotografia de Che Guevara; o desabrochar da Primavera de Praga e a natureza das manifestações populares; Walter Benjamin, Le Corbusier, Camille Corot, Fernand Léger. Retratos e instantâneos admiráveis em si mesmos, revelam a sua maior importância enquanto partes de um todo, fragmentos da existência submetidos ao mesmo olhar coerente, sensível e humanista de John Berger, em favor de uma síntese da experiência e condição humanas. Numa prosa ao mesmo tempo sóbria e epigramática, em textos ora políticos,…
  • A Utilidade do Inútil Quick View
    • A Utilidade do Inútil Quick View
    • A Utilidade do Inútil

    • 10.00
    • Adicionar
    • ,
    • Nuccio Ordine Faktoria K de Livros – Colecção Ágora K 2016 | 9789899958319 | 204 pp. Não é verdade, mesmo em tempos de crise, que só é útil o que produz lucro. Nas democracias mercantis há saberes considerados «inúteis» que revelam uma utilidade extraordinária. Neste manifesto brilhante e original, Nuccio Ordine chama a atenção para a utilidade do inútil e para a inutilidade do útil através da reflexão de grandes filósofos (Platão, Aristóteles, Zhuang-zi, Montaigne, Campanella, Bacon, Kant, Heidegger, Bataille…) e de grandes autores (Ovídio, Dante, Moro, Shakespeare, Cervantes, Hugo, Dickens, Stevenson, García Lorca, Ionesco, García Márquez, Calvino, Lessing…).  
  • A Política do Impossível Quick View
    • A Política do Impossível Quick View
    • A Política do Impossível

    • 15.00
    • Adicionar
    • A Política do Impossível - Ensaios e Artigos Seleccionados Stig Dagerman VS. 2019 | 9789895453412 A coisa mais importante para a literatura do século XX foi a psicanálise, com a sua profunda abertura de perspectiva sobre o ser humano, e Ulisses, de Joyce, com a sua inexaurível exposição das inexauríveis possibilidades da criação literária. Que espero eu? Uma literatura independente que combata pelos direitos inalienáveis dos seres humanos aprisionados nas organizações políticas e de massa: liberdade, fuga e traição. Liberdade de não escolha entre aniquilação e extermínio, fuga do futuro campo de batalha em que se está a preparar um desastre, traição de todo o sistema que criminalize a consciência, o medo e o amor ao próximo.
  • Teoria das Cordas Quick View
    • Teoria das Cordas Quick View
    • Teoria das Cordas

    • 16.00
    • Adicionar
    • David Foster Wallace Bazarov 2020 | 9789899025011 | 152 pp. Aqui finalmente reunidos, os cinco ensaios de David Foster Wallace sobre ténis, escritos com o conhecimento de um jogador semiprofissional, o entusiasmo de um apaixonado pela modalidade e o primor e a pungência de um escritor sublime. Ruminante, digressivo, lírico, hilariante, depressivo e às vezes lunático, Teoria das Cordas revela todos os elementos da prosa do escritor americano e consagra-o como um dos mais brilhantes ensaístas de sempre.
  • Uma Coisa Elementar Quick View
    • Uma Coisa Elementar Quick View
    • Uma Coisa Elementar

    • 17.00
    • Adicionar
    • Eliot Weinberger Bazarov 2020 | 9789895479276 | 224 pp. Eliot Weinberger conduz o ensaio a territórios inexplorados, nas fronteiras entre a poesia e a narrativa, onde a única lei é o imperativo de toda a informação ser verificável. Uma Coisa Elementar conduz-nos através de histórias, fábulas e meditações sobre as dez mil coisas no universo: o vento e o rinoceronte, santos católicos e pessoas chamadas Chang, as tribos ancestrais na fronteira Irão-Iraque ou nas montanhas da Nova Guiné.
  • Um Apartamento em Urano Quick View
    • Um Apartamento em Urano Quick View
    • Um Apartamento em Urano

    • 20.00
    • Adicionar
    • Paul B. Preciado Bazarov 2020 | 9789895479252 | 300 pp. Urano, o gigante gélido, é o planeta mais frio do sistema solar e uma divindade na mitologia grega. É, também, a inspiração para o uranismo, um conceito cunhado pelo escritor Karl Heinrich Ulrich em 1864 para definir o terceiro sexo. Seguindo Ulrich, Paul B. Preciado sonha com UM APARTAMENTO EM URANO, onde o autor pode viver além do poder existente, dos espartilhos de género e das restrições raciais inventadas pela modernidade.
  • A Lua Quick View
    • A Lua Quick View
    • A Lua

    • 13.00
    • Adicionar
    • Joachim Kalka Bazarov 2020 | 9789895479238 A simbologia e a influência da Lua ao longo de nossa história são tão amplas quanto diversas, tão antigas quanto vigentes. Existem infinitas rotas que se podem traçar em torno deste astro que sempre esteve lá, testemunha e parte do desenvolvimento das civilizações. Joachim Kalka apresenta neste livro uma paisagem tão erudita quanto pessoal que orbita em torno da Lua, inspiração para artistas, culturas, mitologias ou lendas.
  • Ensaísmo Quick View
    • Ensaísmo Quick View
    • Ensaísmo

    • 15.00
    • Adicionar
    • Brian Dillon Bazarov 2020 | 9789895479214 | 144 pp. Como o próprio estilo da escrita de Brian Dillon — aglomerativo, associativo, digressivo, curioso, apaixonado e desapaixonado —, este é um livro que ramifica as possibilidades do ensaio. Ensaísmo é um estudo da melancolia e da depressão, uma carta de amor para as belas letras e um relato das vidas ​​de leitura e de escrita, sob orientação de Montaigne, Virginia Woolf, Barthes, Adorno, Walter Benjamin, Georges Perec ou Susan Sontag.
  • Elogio da Bicicleta Quick View
    • Elogio da Bicicleta Quick View
    • Elogio da Bicicleta

    • 11.90
    • Adicionar
    • Marc Augé Edições 70 2020 | 9789724423715 | 86 pp. «A primeira pedalada é a aquisição de uma nova autonomia, é a bela escapada, a liberdade palpável, o movimento na ponta dos pés, quando a máquina responde ao desejo do corpo e quase o antecipa. Em poucos segundos, o horizonte limitado abre-se, a paisagem move-se. Estou noutro lugar. Sou um outro e, no entanto, sou eu mesmo como nunca antes tinha sido; sou aquilo que descubro.» Este elogio da bicicleta de um dos mais destacados antropólogos mundiais passa por três momentos: o mito, a epopeia e a utopia. A bicicleta tem uma dimensão mítica que é, ao mesmo tempo, individual e coletiva. Hoje, o mito sofreu um revés. Mas a bicicleta regressa através das políticas urbanas, e a sua presença é hoje objeto de um renovado entusiasmo. Podemos imaginar os grandes traços da cidade utópica de amanhã, em que os transportes coletivos e a bicicleta seriam os únicos meios de deslocação na…
  • O Meu País Quick View
    • O Meu País Quick View
    • O Meu País

    • 19.00
    • Adicionar
    • Maria Filomena Mónica Relógio d`Água 2020 | 9789897830822 | 224 pp. «Foi ao escrever este livro que compreendi serem o nacionalismo e o patriotismo coisas diferentes: o primeiro é inseparável do desejo de poder, enquanto o segundo é meramente defensivo. O facto de a minha pátria ser Portugal não me leva a pensar que seja a melhor do mundo: reconheço tão-só que foi aqui que nasci, foi aqui que cresci, foi aqui que tive filhos e netos. E agora, que me foge a curta vida, gosto mais dela porque finalmente me deu a oportunidade de pensar, falar e escrever livremente.»
  • O louvor da terra Quick View
    • O louvor da terra Quick View
    • O louvor da terra

    • 16.00
    • Adicionar
    • Byung-Chul Han Relógio D`Água 2020 | 9789896419882 | 152 pp. Louvor da Terra não é um ensaio filosófico, semelhante aos antes escritos por Byung-Chul Han. Situando-se entre a poesia e a filosofia a obra regista as reflexões de Byung-Chul Han sobre o tempo que dedica ao seu jardim. Louvor da Terra leva-nos a tomar consciência da ameaçada beleza do nosso planeta, num tempo em que se vai adquirindo a perceção de que, a médio prazo, algumas das suas regiões poderão tornar-se inabitáveis. A Terra cria vida e renova-a. Este poder pode ser entendido na jardinagem. Mais do que uma técnica, o cultivo das plantas é uma arte em que se pratica a meditação. O livro é ilustrado com as plantas que Byung-Chul Han cultiva no seu jardim.
  • Porque Escrevo e Outros Ensaios Quick View
    • Porque Escrevo e Outros Ensaios Quick View
    • Porque Escrevo e Outros Ensaios

    • 15.00
    • Adicionar
    • George Orwell Antígona - Editores Refractários 2021 | 9789726083931 | 160 pp. «Escrevo porque há uma mentira qualquer que quero denunciar, um facto qualquer para o qual quero chamar a atenção, e a minha preocupação inicial é ser ouvido.» Porque escreve George Orwell? Orwell escreve porque, muito antes das redes sociais e das fake news, compreende o perigo de dar rédea solta a uma mentira («Porque Escrevo»). Orwell, o autor de Mil Novecentos e Oitenta e Quatro, o criador do termo «novilíngua», escreve porque dá valor às palavras, conhece o seu poder, é sensível aos mecanismos de manipulação do pensamento por via da linguagem obscura («A Política e a Língua Inglesa», «Verdade Histórica», «Linguagem Religiosa»). Orwell, o cidadão intrínseca e fatalmente politizado, escreve porque defende que toda a arte é um gesto político, um empecilho a pretensões totalitárias, uma arma escarninha contra demagogias («As Fron-teiras entre a Arte e a Propaganda», «Literatura e Totalitarismo»). «Enquanto escrevo, seres humanos civilizadíssimos sobrevoam-me, tentando matar‑me»,…
  • Comentários sobre a sociedade do espectáculo Quick View
    • Comentários sobre a sociedade do espectáculo Quick View
    • Comentários sobre a sociedade do espectáculo

    • 12.00
    • Adicionar
    • Guy Debord Antígona - Editores Refractários 2021 | 9789726083658 | 96 pp. «Nunca a censura foi tão perfeita. Nunca foi permitido mentir com uma tão perfeita ausência de consequências. Pressupõe-se apenas que o espectador deve ignorar tudo, não merecer nada. Ao invés da pura mentira, a desinformação deve fatalmente conter uma certa parte de verdade, porém deliberadamente manipulada por um hábil inimigo.» Companheiro inseparável d’A Sociedade do Espectáculo, os Comentários (1988) actualizam e confirmam, ao fim de vinte anos, as teses anteriores de Guy Debord,apresentando a noção de «espectacular integrado»: um conceito global que reúne o «espectacular difuso» do american way of life e o «concentrado» dos regimes totalitários, vertido na manipulação cada vez mais sofisticada dos desejos do ser humano, operada por Estados e meios de comunicação em nome do bem oleado capitalismo moderno. Este balanço do autor, quando o espectáculo se tornara ainda mais irracional e omnipresente do que ele previra em 1967 – que passa em revista a mentira…
  • A Sociedade do Espectáculo Quick View
    • A Sociedade do Espectáculo Quick View
    • A Sociedade do Espectáculo

    • 14.00
    • Adicionar
    • Guy Debord Antígona - Editores Refractários 2021 | 9789726082224 | 144 pp. «A alienação do espectador em proveito do objecto contemplado (que é o resultado da sua própria actividade inconsciente) exprime-se assim: quanto mais ele contempla, menos vive; quanto mais aceita reconhecer-se nas imagens dominantes da necessidade, menos compreende a sua própria existência e o seu próprio desejo.» Publicada em 1967, A Sociedade do Espectáculo é a obra filosófica e política mais famosa de Guy Debord e uma análise impiedosa da invasão de todos os aspectos do quotidiano pelo capitalismo moderno. O espectáculo, segundo o autor, «uma droga para escravos» que empobrece a verdadeira qualidade da vida, é apontado como uma imagem invertida da sociedade desejável, na qual as relações entre as mercadorias suplantaram os laços que unem as pessoas, conferindo-se a primazia à identificação passiva, em detrimento da genuína actividade. O autor afirma que «quanto mais [o espectador] aceita reconhecer-se nas imagens dominantes da necessidade, menos compreende a sua própria existência…
  • Quatro entrevistas com George Steiner Quick View
    • Quatro entrevistas com George Steiner Quick View
    • Quatro entrevistas com George Steiner

    • 19.00
    • Adicionar
    • Ramin Jahanbegloo Editora VS. 2020 | 9789895473502 | 204 Neste volume de entrevistas, George Steiner, bem mais do que se explicar, co(implica) a vida dos seus interlocutores-leitores, segundo a melhor tradição socrática. Quer dizer, indisciplina a filosofia, devolvendo-a e revivendo-a em estado nascente, nessa praça da palavra onde a última palavra não pertence a ninguém, e reabre quotidianamente o silêncio sem fundo de onde as primeiras palavras, mas, sem dúvida, também todas as palavras primeiras, vêm. E ― fundindo até ao âmago, por exemplo, a reflexão acerca da poesia e da música e da interrogação do extermínio nazi, ou a sua polémica com as gramáticas generativas e com as paradas políticas fundamentais do nosso tempo ― fá-lo sempre em situação, sempre agora, na singularidade que a encruzilhada toma a cada instante, aberta pelo passo de quem caminha e refaz o caminho que nos ensinou a andar.
  • O sexo da música Quick View
    • O sexo da música Quick View
    • O sexo da música

    • 17.70
    • Adicionar
    • Etienne Liebig Temas e Debates 2020 | 9789896446437 | 280 pp. Sexo e música: uma harmonia que vem de longe… Conheçamos a história que liga, desde as origens da Humanidade e em todas as culturas, a música com a sexualidade. Partindo das ligações fisiológicas entre o prazer sexual e o prazer de ouvir música, esta obra aborda, de um ponto de vista antropológico e histórico, aquilo que, em todas as épocas e em todas as latitudes, fez com que a música e o sexo se cruzassem: a música das heteras romanas, as melopeias das gueixas, as composições do romantismo alemão ou das bandas pop da década de 1970. Por último, o autor revela o que une a música e a sexualidade nas representações artísticas e culturais: da pintura chinesa à banda desenhada, passando pelas influências da música e do sexo sobre a literatura e a arte cénica, das danças da Antiguidade à cultura hip hop.
  • George Orwell – Ensaios Quick View
    • George Orwell – Ensaios Quick View
    • George Orwell – Ensaios

    • 22.90
    • Adicionar
    • Autor: George Orwell Editora: Edições 70 Ano: 2021 | ISBN: 9789724423975 | N.º pp: 420 O Orwell ensaísta que o público português conhece, através da tradução de alguns dos seus ensaios, é essencialmente o Orwell político. Sem descurar essa dimensão incontornável do autor, a presente coletânea pretende dar a conhecer várias das suas outras facetas que frequentemente ficam esquecidas ou são menosprezada. Assim, a coletânea inclui ensaios sobre o policial, a literatura infanto-juvenil e outras manifestações da cultura de massas, bem como outros sobre a natureza, o imperialismo e as questões identitárias. Os ensaios aqui reunidos revelam a versatilidade de Orwell e as suas extraordinárias qualidades de ensaísta: o espírito de independência, o sentido crítico, a curiosidade intelectual, a perspicácia da observação, a informalidade do estilo e, acima de tudo, a sua capacidade de interrogar o mundo e de com ele dialogar, «ensaiando» explicações para tudo o que lhe suscita o interesse, do mais filosófico ao mais comezinho.